ENSAIOS DE LOUCURA

Publicado por Ray Lima em 28/1/2016

Ao Vitor Pordeus e Reginaldo Terra

"É ilusório imaginar que o homem possa dominar e controlar a natureza, se ele não foi ainda capaz de controlar e enxergar a sua própria natureza."

Carl Gustav Jung

ENCONTRO

de repente na entre sala

eu e ela em torvelinho

ao sair cada um de seu ninho

o luzir de mandalas janelas caminhos

(Lima, Ray – wwwcenopoesiadobrasil.blogspot.com)

MEMO

Já fui louco muitas vezes

Nenhuma delas por mim

(Lima, Ray – wwwcenopoesiadobrasil.blogspot.com)

QUADRA FUNDA

irrigo com arte a mente

com saber irrigo

para não perecer

irrigo de amor igualmente

Assim o confuso ser que há lá dentro

faço-o renascer tão diferente

deste outro infuso redemoinho

genitor-geratriz de minhas oscilações

irrigo-te sáfara mente

de esgotar seres em sonhação

pela loucura sempre anfitriã e safa

irrigo-a com afã e cuidado de não me encharcar

banho de luz o fusco do escuro abstruso

espirais revelam-me a sair do parafuso que entrei

a fluir pelas mandalas sem me perder de vista

despistando frestas para abrir janelas

(Lima, Ray – wwwcenopoesiadobrasil.blogspot.com)