Saúde Insuperável

Publicado por Matheus Branco Leal em 2/4/2016

Como estudante, apresento minhas experiencias nessas ultimas três semanas no Hotel e Spa da Loucura.

Tomado por uma sede de conhecimento, de auto conhecimento, cursando o 7o período de Psicologia, encontrei o trabalho que tanto vislumbrei nos meus sonhos infantis: Ver amor virar arte, virar ciência, virar cura, virar conhecimento, ser essência. E é simplesmente fantástico fazer parte disso. Espero que as próximas linhas possam contribuir pra universitários como eu, que dentre as dificuldades, acreditam que podem fazer na sua vocação um mundo melhor, um mundo mais saudável.

Residente na Zona Norte do Rio, apaixonado por arte e conhecimento, transformei a fome suburbana de sair das grades do ensino superior privado, despreparado, sistematizado, em novos roteiros, novos templos de conhecimento, e fui apresentado a Universidade Popular de Arte e Cultura em aproximadamente 1 Mês, com uma visita breve ao Hotel e Spa da Loucura e ao V Curso de Psicopatologia, no auditório do Instituto Municipal Nise da Silveira. E as minhas surpresas chegaram:

Na breve visita, me encontrei com novos e velhos pensadores cientistas, estudiosos, profissionais, artistas, atores. Vida sendo vida. No Curso, a ciência no percebido afeto catalizador e a decisão de continuar a encontrar a minha ciência como voluntário das oficinas de arte e expressão, nas rodas dialógicas do som.

Obrigado Psicologia, por me colocar neste lugar!
Não há medicação que supere a cura pelo sentimento de ser amado, de ser sentido, ouvido, percebido.
Não há Política que supere o sincero olho-no-olho do dia-a-dia, a dor, alegria e respeito integralmente vivida por iguais.
Saúde Mental é afeto, é ser voz e ouvidos, é ser arte, é ser vida, é ser parte e todo, é ser um circulo sem início e sem fim.

Obrigado Hotel e Spa da Loucura, obrigado UPAC e obrigado a todos os artistas dessa grande história!

Pra estudantes da vida, buscadores de conhecimento que os tornará inteiros, os espero com o sorriso no rosto e um grande abraço.

Matheus Branco Leal