Precisa-se de Atores e Atrizes

Publicado por Vitor Pordeus em 6/1/2017

Precisa-se de Atores e Atrizes

No cinema (e televisões) atual o exagero e total utilização de efeitos especiais de luz e som, explosões, armas, armas, fetiche por armas o tempo todo, o que os atores mais gostam de fazer é fazer poses arrojadas com armas nas mãos, velocidades sempre violentes e intensidades de imagens sempre estonteantes. Enquanto isso, os atores foram reduzidos a meros manequins-fantoches sendo retocados pelos efeitos especiais de computador igualmente. Os efeitos de computador fazem dos Velociraptors e Robos como R2D2 figuras mais carismáticas e marcantes que os próprios atores. O texto muito menos ajuda, são sempre aqueles mesmos chavões de guerra, cenas apelativas de amor no campo de batalha, glamurização da morte e da tragédia. Eles aparecem fazendo caras e bocas muito intensas, sempre suados e feridos pelas batalhas, mas nada dizem, são dominados pelas máquinas, nem são atores. Pois ator é qualidade humana e opinião. O trabalho do ator é a opinião que ele tem sobre o contexto, o texto, a relação, é a capacidade de discursar frente a realidade. E trabalhando dentro da tradição teatral, visitar as moradas mais altas e mais baixas da natureza humana. Isso é ser ator. Claro, tivemos grandes atores fazendo cinema, grandes discursadores, Chaplin, Fellini, Glauber que realizaram discursos poderosos sobre a vida e a arte, inovaram na linguagem.
Eu comecei a ser ator aos 9 anos no teatro amador, o teatro que ama feito por quem ama, em Realengo, depois parei para estudar medicina, adoeci com depressão grave, voltei ao teatro, me curei e avancei meu trabalho a partir disso. Ser ator salva, traz outras luzes e outras compreensões sobre nós próprios e nosso mundo. É necessário que os atores parem de servir às máquinas e voltem a servir à humanidade, sua vocação, sua ética, sua origem, servir de espelho à humanidade e à natureza, para que quanto mais profundo e adequado for esse espelho, alcançarmos alto nível de auto-conhecimento, desenvolvendo-nos, contribuindo para a criação e o desenvolvimento eterno da vida e da natureza.