​Galileu é o Anti-Fausto: Venceu a Inquisição, pode nos ajudar.

Publicado por Vitor Pordeus em 25/1/2018

SObre Galileu num momento desses

Teatro de DyoNises 2017, ator Pablo Meijueiro interpretando Galileu Galilei em plena Praça Rio Grande do Norte no Rio de Janeiro.

O julgamento de Galileu em Roma em 1633 foi muito tenso. Galileu era o cientista mais amado da Europa na época, e foi denunciado à ao Tribunal Santa Inquisição porque estava divulgando suas ideias científicas em italiano, na língua do povo, e não em latim como era a norma da época. Como sabemos deu errado, ele foi condenado à prisão perpétua domiciliar onde morreu 9 anos depois, cego, aos 78 anos. Ficou incomunicável todo esse período, sob vigilância da inquisição, e foi obrigado a abjurar, a negar sua teoria, publicamente. Foi um imenso retrocesso em a nascente ciência européia. Uma barra. Antes de ser condenado, Galileu mostrava os telescópios nas praças públicas e nos mercados, trabalhava nos estaleiros e descobriu em 1609 que a Terra não era o centro do universo, conforme todos acreditavam nos últimos 2 mil anos. Imaginem a situação. 30 anos antes Giordano Bruno foi preso, teve sua língua arrancada e foi queimado vivo em praça pública por questionar as mesmas autoridades que Galileu. Mas Galileu, é o fundador da ciência ocidental, a nova forma de saber hegemônico, que dominou sim a inquisição e virou a indústria farmacêutica e drogas e armas, que é quem está mandando nisto tudo, nos juízes, nos procuradores brasileiros, o dinheiro da Big PHARMA do doutor Fausto, é ele por trás disso tudo, em Wallstreet, no Goldman Sachs, nós sabemos. Como Galileu conseguiu lançar o projeto que dominou o seu algoz? A Igreja? Sendo popular, falando em língua do povo, mostrando o telescópio para todos que quisessem ver com os próprios olhos. Quando na prisão domiciliar, ele conseguiu enganar os padres, escreveu seu tratado sobre o novo sistema solar, e enviou clandestinamente para que fosse publicado e publicizado na Holanda.

No Rio de Janeiro, em nossa última temporada de Vida de Galileu de Bertolt Brecht em 2017, no Arpoador, os Capoeiras brasileiros entraram na roda para salvar Galileu da inquisição, nos ensinando uma lição eterna que a cultura popular é matriz e renovadora da cultura científica, se elas se desligam, é como um filho que se desliga de seus ancestrais e passa a atacá-los.
É bom pensar essa situação e ver como os ancestrais superaram a inquisição que está de volta, renovada, mas sempre com a mesma cara do Dr. Fausto. O Galieu é um anti-Fausto. Inescapável.
Vai Galileu. Vai Capoeira. Já aconteceu antes e vai acontecer depois.

"A verdade é filha da história e não da autoridade" Brecht em Vida de Galileu