O tsnume imoral do capital

Publicado por Luís Paulo Brabo Lopes em 29/5/2018

Alguém pode me explicar o que está acontecendo? Tá muito difícil ter um olhar mais amplo do processo em curso no país. A porcaria midiática que nos atinge com a força da propaganda não serve para que possamos entender o que está acontecendo; e é difícil entender a quais interesses estão servindo. Apesar disso, podemos concluir sem sombra de dúvidas, que não são os interesses da população; mas, que há uma investida internacional do grande capital no país. Estão nos entregando, de bandeja, ao poder econômico global. Poder que há muito substituiu o poder político local; já que o financia para que advogue em causa própria. Mas, há algo de novo no atual cenário que traz implicações profundas para o nosso futuro. As escassas proteções que tínhamos contra a psicopatia capitalista internacional estão desmoronando, rapidamente, bem diante de nossos olhos. A mídia se utiliza do medo e da indignação justa da população em relação ao mar de lama da política nacional para justificar a erosão dos últimos diques que nos protegiam da inundação diabólica e imoral do grande capital internacional. Na prática, estamos cada vez mais a mercê destes grupos de bilionários que destroem as bases de nações inteiras para terem mais e mais liberdade de explora-las. Estamos assistindo uma nova fase do capitalismo; que, como um camaleão diabólico, se transmuta rapidamente em novas formas capazes de explorar ainda mais nações inteiras. São culturas inteiras que estão vindo a baixo, bem diante de nossos olhos. A primavera árabe chegou aqui. Essa é a nossa primavera; mas, nossas flores abertas são nossa vulnerabilidade crescente em relação a ganância insaciável do grande capital. Para eles é primavera, mas, para nós, um outono que anuncia um inverno mais frio do que o habitual. Estamos entrando em uma nova era; em que a riqueza está cada vez mais acumulada na mão de poucos. Não me estranharia se a Europa fosse a próxima. Porque a ideia de bem estar social é estranha a essa nova forma de capitalismo. Nunca estivemos tão entregues a ganância. Estamos assistindo um novo momento histórico. Um momento sombrio em que a sociopatia do "mercado" se infiltra, sem precedentes, sobre nações inteiras. Muitos de nós aplaudiram quando o problema era a Ucrânia, a Síria ou os demais países árabes; acreditando se tratar de libertar esses países; mas essa "liberdade" era para o grande capital ter seus interesses atendidos. Liberdade para eles destruírem os fundamentos culturais destes países, para melhor explora-los. Agora é nossa vez. E não temos defesas diante dessa nova investida do grande capital internacional. Nossa cultura não tem força para se opor a essa lógica diabólica, pois já está demasiadamente infiltrada por ela; a ponto desta doença ter se tornado um dos nossos pilares centrais. Nesse sentido, somos muito mais vulneráveis do que os árabes; pois as raízes de nossa cultura secaram no lodo capitalista há algum tempo. O golpe que sofremos recentemente, retirou nossa última força de resistência (que já era precária e até certo ponto) diante deste tsunami global de ganância insaciável que destrói culturas inteiras para melhor explora-las.