ARTE (QUADRA FUNDA)

Publicado por Ray Lima em 8/7/2013

RAY LIMA

Do buraco negro iminente
Ao ser em sobressalto a superar-se
À percepção sensível
Do salto imortal divino mítico

Eis-me diante do abismo
E me faço ponte
Eis-me diante do abismo
E me faço ponte

Da sede que flagela e mata
Às matas que preservam as fontes
Da morte que enterra e some
À vida que ressurge aos montes

Eis-me diante do abismo
E me faço ponte
Eis-me diante do abismo
E me faço ponte

Do que percebo e torno percebido
Do visto e lido nas entranhas
Da faca lanho corte da libido
Aos muros que a liberdade estranha

Eis-me diante do abismo
E me faço ponte
Eis-me diante do abismo
E me faço ponte

Do estranho ser que se revela humano
Ao humano que só se quer razão
Da sublimação da arte ao puro engano
Do poder ao despudor da criação

Eis-me diante do abismo
E me faço ponte
Eis-me diante do abismo
E me faço ponte