ERA...

Publicado por Ray Lima em 8/9/2013

Por Ray Lima

In Roteiro Cenopoético "Sr. Brasil e as quatro tochas do apocalipse", de Ray Lima e Jadiel Guerra.

Era uma vez uma casinha numa ilha mui distante

uma casinha numa ilha que se via

onde uma fêmea mui canora e dançarina

uma fêmea seminua que sorria...

parecia me esperar

em desespero me esperava há muitos dias

QUADRA FUNDA

Lima, Ray. Ultrapassagens. Expressão Gráfica. Fortaleza,1994.

já fui marinheiro amigu'entre vários daquela sereia

canora sereia que canta seu tempo encantando seres

vivos ouvintes d'além da linha azul

e quem lá passeia por amor ou tolices

guerreiro m'achei muito mais que Ulisses

porque não fugi nem atei meus punhos

encarei seu canto estendendo os braços quase esvoaçante

livre sobre as águas não senti cansaço.

a nave em que eu ia balançava muito

sereia cantava os peixes sorriam

as águias piavam pregando o perigo

quando eu e seria estávamos juntos

além d'horizonte não havia mundo

mas eu tudo via pela luz do canto

por sua magia delirei d'encanto (fundimos, sereia!)

caí na catarsis me perdi no mar