Estado de Estar

Publicado por Magno Myller em 17/10/2014

Um dos resultados da minha busca pelo entendimento dos estados energéticos e suas repercussões no indivíduo e no coletivo. Salveanossaenergia

Dá-se a evolução da mente e da minha atmosfera. Aqui podemos pesquisar o ser humano sob outras perspectiva. O local, por se tratar de um campus psiquiátrico, e o clima de cuidado que estabelecemos uns com os outros influencia uma liberdade inconsciente de criação que nos estimula a entrar em contato com aquela estranha presença de nós mesmos, que normalmente fica soterrada por anos de condicionamento social.

Não digo que não haja problemas ou que o convívio é sempre fácil. Mas quando estamos dentro desse solo de inconsciência ancestral, nos colocamos disponíveis ao contato humano, levando em conta as diferenças dos indivíduos, que caracterizam a peculiaridade do forte coletivo humano.

Estamos disponíveis ao relacionamento entendendo que somos seres humanos com milênios de fragmentos de competitividade e condicionados desde o nascimento. Nos colocamos disponíveis também às "treva" do outro, pois essa energia faz parte do outro e também faz parte de nós. Observar nossa escuridão (aquele nosso lado sombrio, vulgo negativo, que temos medo de entrar em contato).

Nos foi tirado o direito cultural de conhecer, explorar e expressar nossa energia "sombria", nos é negada a possibilidade de enxergar no escuro. Porém também faz parte de quem nós somos. Perceber a manifestação dessa energia e perceber a sua repercussão em nosso corpo, atentar pra como e onde essa raiva, por exemplo, reverbera em nós, nos dá maior clareza e domínio sobre quem somos e como estamos, o que é muito importante para o autoconhecimento do nosso estado de estar.

"Estar ou não estar é essa a questão"

"Estamos" o tempo todo. A questão é: Como estamos nesse momento?

Acredito ser essa uma simples pergunta que nos leva à uma auto análise.

"Se assim estou, por que estou assim?"

Usar essa pergunta no meio do meu dia a dia me ajuda à como tratar os outros e à mim mesmo.

Essa é uma forma que cada vez mais conduz à um estado de reflexão sobre a maneira que nos relacionamos com o espaço e com o seu equilíbrio, pois tende à desfragmentar nossas ideias de certos costumes rituais da nossa conduta diária. Nos levam a enxergam com cada vez menos véus.

Pergunte-se, reflita e incomode-se. Sair da zona de conforto conforta quem busca um caminho.

E os padrões caem efeito dominó!

"Liberta meu pés, minhas mãos, quadril, dorsal e mente.

Meu corpo está presente.

O estado de observação traz uma tranquilidade que mantém o interior vivo e consciente."